21/11/2018 às 16:48

Recuperação dos Serviços deve ficar para 2019

CNC Notícias

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) prevê que o setor de serviços deve encerrar o ano de 2018 com retração de 0,2% nas receitas, em relação ao ano passado. A projeção foi feita após os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), que registrou queda de 0,3% no faturamento dos serviços, em setembro.

Segundo Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC, a recuperação plena do setor segue distante, já que o atual volume de receitas ainda se encontra 11,7% aquém do nível anterior à última recessão. “Para que o setor não registre sua quarta queda anual consecutiva, seria necessário um crescimento médio de 1,2% no volume de receitas dos serviços, na comparação entre o quarto trimestre deste ano e o último do ano passado – taxa alcançada em apenas duas oportunidades nos últimos 12 meses”, afirmou Bentes.

A recuperação plena do setor deve ficar somente para o ano que vem. A expectativa da CNC é de que, em 2019, o setor deverá registrar aumento de 2,1% nas receitas, o que, se for confirmado, será o primeiro crescimento desde 2014, quando os serviços tiveram aumento de 2,5%.

Queda mensal, mas resultado favorável no trimestre

A queda mensal na PMC se deveu, principalmente, ao fraco desempenho da geração de receitas advindas de serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,4%) e do setor de transportes (-1,3%). Em contrapartida, a prestação de serviços às famílias avançou 1,4%, compensando a retração de 0,7% em agosto.

Apesar do fraco desempenho do setor em setembro, o acumulado do terceiro trimestre mostrou que, após um segundo trimestre marcado pelas paralisações de maio e junho, houve evolução favorável de parte do principal setor de atividade na formação do Produto Interno Bruto (PIB), principalmente levando-se em conta as incertezas decorrentes do cenário eleitoral.

 

Fonte: CNC Notícias